Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

A calvície masculina, ou, cientificamente, alopecia androgenética é a perda de cabelo no topo e na frente do escalpo.

Apesar de ser genética e não ser correlacionada com nenhuma doença, é tida como um traço não desejável por algumas pessoas, e isso traz interesse na recuperação e manutenção do cabelo, e como qualquer assunto que envolva a complexidade do corpo humano, há muitos mitos e desinformações sobre o tema.

Neste documento trago as informações científicas mais atuais de forma filtrada e simplificada.

O que causa a queda de cabelo?

O principal responsável é o hormônio di-hidrotestosterona (DHT), quando se fala de calvície natural, ou seja, não causada por traumas externos, remédios ou outras causas. Ele é um hormônio derivado da testosterona.

Quando a testosterona entra em contato com a enzima 5alfa-redutase, ela é convertida em di-hidrotestosterona.

A di-hidrotestosterona é fundamental no desenvolvimento humano, sendo responsável por muitos aspectos, como a maturação de pênis, crescimento de pelos faciais, do corpo e púbicos.

O que acontece é que alguns homens têm uma maior sensibilidade no seu escalpo ao hormônio DHT, que causa o enfraquecimento dos fios, levando ao afinamento, e por fim a queda.

Existem outras causas de queda de cabelo, como a insuficiência de nutrientes, estresse ou a alopecia por tração (o puxar dos cabelos ao prendê-los, por exemplo). Aqui daremos o foco a causa mais comum e mais complexa de lidar, que é a genética.

Ciclo de vida do cabelo

Cada fio cresce a diferentes velocidades e comprimento. Sua composição influencia quanto tempo os fios de cabelo crescem. Os três estágios do crescimento do cabelo são as fases anágena, catágena e telógena. Cada fio de cabelo no corpo humano está em seu próprio estágio de desenvolvimento. Uma vez que o ciclo esteja completo, ele reinicia e um novo fio de cabelo começa a se formar. A taxa de crescimento do cabelo é de cerca de 1,25 centímetros por mês, ou cerca de 15 centímetros por ano.

Fase anágena

A fase anágena é conhecida como a fase de crescimento. Esta fase pode durar de dois a seis anos. O período em que o cabelo permanece neste estágio de crescimento é determinado pela genética. Quanto mais tempo o cabelo fica na fase anágena, mais tempo ele vai crescer.

Fase catágena

A fase catágena permite que o folículo se renove. Durante esse período, que dura cerca de duas semanas, o folículo piloso encolhe e a papila se desprende, cortando o suprimento de sangue para o fio. Os sinais enviados pelo corpo determinam quando a fase anágena termina e a catágena começa. O cabelo não cresce durante esta fase.

Fase telógena

Durante a fase telógena, ou, fase de repouso, o folículo permanece dormente por 1 a 4 meses, até cair com o surgimento de um novo fio em seu lugar, reiniciando o ciclo.

Existe cura?

A alopecia androgenética é tratável, e difícil de ser completamente revertida sem transplante. A recuperação completa dos fios sem cirurgia é incomum, mas pausar a queda, ou até mesmo uma recuperação parcial é relatada em muitos casos, justificando os tratamentos disponíveis.

Dados específicos são difíceis de conseguir, e muitas vezes inconclusivos sobre taxa de sucesso, mas os tratamentos são difundidos mundialmente, e muitas vezes satisfatórios.

Quais são os tratamentos disponíveis?

Os principais tratamentos disponíveis são:

Todas essas opções podem ser usadas em conjunto (com algumas ressalvas).

O principal entre eles, é a finasterida, ela age bloqueando diretamente a enzima 5alfa-redutase, causando com que menos testosterona seja convertida em DHT. Tendo menos DHT, menos os folículos capilares do escalpo sofrem com seus efeitos, fortalecendo os enfraquecidos, mantendo os fortes e, caso tenha sorte, recuperando os já inativos. É o único que age de forma hormonal, sendo o que demanda mais atenção e cuidado na sua administração.

Em segundo lugar temos o mais conhecido minoxidil, ele é aplicado na região desejada e age dilatando os vasos sanguíneos, permitindo que mais nutrientes cheguem aos fios, fazendo com que o fio cresça mais na fase anágena.

Já o Cetoconazol ainda está sendo estudado sobre como ele age, mas tem o efeito de estimular o crescimento capilar, fazendo com que cresçam mais fortes, e mais rápido.

O microagulhamento é o mais incomum dos 4 aqui no Brasil, pela minha experiência, mas tem resultados expressivos, e efeitos colaterais mínimos, e, em geral é considerado uma ótima adição ao tratamento. Ele funciona por causar pequenos machucados no escalpo, fazendo com que o corpo mande naturalmente nutrientes para a recuperação da área machucada, melhorando a circulação e renovando a pele.

Quais são os efeitos colaterais?

Muito se fala sobre os efeitos colaterais desses tratamentos, mas a verdade é que o efeito nocebo (os pensamentos negativos, ficar procurando tais efeitos) é, comprovadamente, a maior causa de problemas durante e após o tratamento, principalmente com o uso da finasterida. O que acontece é que, além dos efeitos fisiológicos, que são facilmente observáveis, como, por exemplo a redução de oleosidade na pele, existem os efeitos subjetivos, como a perda de libido.

Com a relevância que a libido tem na vida humana, temos uma preocupação extra quanto à esses impactos do tratamento, e a preocupação por si só pode ser muito mais danosa do que o efeito colateral, como frequentemente é.

De forma simplificada, os efeitos colaterais mais notáveis da finasterida são a queda de libido, que é subjetiva e muitas vezes não relevante, mas deve se atentar (sem alarde), e redução de volume de esperma, ainda mantendo a fertilidade e a contagem de espermatozoides por mL. Pode-se perceber também um ressecamento da pele pela diminuição de oleosidade, que inclusive talvez seja positivo para quem tem problemas com acne.

No uso do minoxidil, existem relatos de olheiras, mas são quase anedotais, sem muitos estudos sobre. Um aspecto muito importante é que o minoxidil deve ser aplicado com a pele sem machucados, e nunca ingerido. Caso entre na corrente sanguínea pode causar uma grave queda de pressão arterial por ser vasodilatador. Durante o tratamento regular, isso não deve acontecer.

O shampoo de cetoconazol não costuma causar efeitos colaterais, mas se deve manter a atenção e cessar o tratamento em casos de irritação.

O microagulhamento tem o “efeito colateral” de causar pequenos machucados e um leve sangramento, que fazem parte do processo, o que se deve atentar muito, é de dar uma margem de no mínimo 24 horas entre uma sessão de microagulhamento e a aplicação de minoxidil, justamente para que não haja o contato do minoxidil com a corrente sanguínea.

Dosagem

A dosagem de finasterida recomendada para a calvície é de 1 mg. Um estudo da Universidade de Oklahoma observou que uma dose de 0.05 mg de finasterida reduziu nos pacientes o DHT no plasma sanguíneo em 49,5%, uma dose quatro vezes maior, de 0,2 mg reduziu em 68,6% e uma dose de 5 mg reduziu em 72,2%. Observa-se claramente uma diminuição de retorno com o aumento da dose, tendo na dose de 1 mg um bom balanço. Não é recomendado que caso você esqueça de tomar a finasterida você tome fora do horário diário. Apenas pule e assim que der o seu horário normal novamente siga com o tratamento. A finasterida tem efeito a longo prazo, pular um dia o tratamento não terá consequências relevantes.

Quanto ao minoxidil, por ser aplicado localmente a dosagem vai variar conforme o produto adquirido, mas por regra, se usa minoxidil com concentração de 5%, seguindo as recomendações da bula. Ao contrário da finasterida, caso você esqueça de aplicar o minoxidil, poderá aplicá-lo assim que lembrar, e em seguida prosseguir com o tratamento de rotina.

Os shampoos de cetoconazol podem ser usados esporadicamente, por volta de 2 vezes por semana para evitar ressecamento dos fios.

De início pode-se começar o microagulhamento com agulhas de 0,5 mm, ou de 1,5 mm pressionadas levemente, sempre com cuidado para não causar danos em excesso.

As instruções de todos os itens apresentados são uma regra geral, sempre se deve ter muita atenção nos efeitos de cada tratamento, cada corpo reage de forma diferente. Algumas pessoas podem não responder ao tratamento com minoxidil 5%, sendo recomendado o de 10%, por exemplo. Por isso é muito importante prestar atenção nos resultados e nas reações do corpo, e adaptar suas rotinas conforme necessário.

Por quanto tempo tratar?

Todos os tratamentos são contínuos. Mesmo em caso de transplante de cabelo, recomendam-se os tratamentos para manter os fios transplantados.

Quanto custa?

O custo do Dermaroller para o microagulhamento varia de 20 reais, para os de menor qualidade, até por volta de 150 para produtos melhores.

O shampoo de cetoconazol fica por volta de 30 reais por 110mL, que usando semanalmente deve durar uns 3 meses.

Pela minha experiência, 50mL de minoxidil custa cerca de 60 reais e dura por volta de 3 meses. O tamanho da área a ser aplicada muda o quanto vai durar, mas vamos seguir nosso cálculo com estes valores.

Comprando finasterida em quantidade, tenho pago atualmente R$23 por caixa com 30 comprimidos, mas frequentemente se acha pelo valor de R$30.

Portanto, temos o custo inicial de R$100 para o dermaroller, e mensal de uns R$60 por mês. Lembrando que não é necessário, e nem recomendado que se inicie todos os tratamentos ao mesmo tempo, já que precisamos observar os efeitos de cada um, e ir iniciando os outros conforme nos adaptarmos.

Se parar o tratamento?

Cada um dos tratamentos apresentados reage de forma diferente no caso do seu descontínuo.

No caso do minoxidil, após uma pausa prolongada ele causa o início de um novo ciclo capilar, o que pode assustar um pouco por causar a queda de muitos fios, que logo voltarão, mas já com o ciclo natural do cabelo, sem o auxílio do minoxidil.

A finasterida, apesar de ter uma meia-vida de 6 horas, leva mais tempo que isso para sair completamente do corpo, mesmo após saindo, os níveis de DHT se permanecem reduzidos por mais alguns dias ou semanas, e até o DHT voltar a causar a queda nos fios pode demorar alguns meses.

O caso do nizoral e do microagulhamento já é mais simples, assim que parado o tratamento, você para de ter os benefícios.

Cuidados gerais

O minoxidil é o que demanda mais cuidados, já que se entrar na corrente sanguínea, pode ocorrer os problemas já mencionados, principalmente se for aplicado após o microagulhamento. Também deve-se cuidar para que ele não escorra para a testa ou têmporas, já que incentiva o crescimento de pelos na região, lembrando também de sempre lavar as mãos após a aplicação.

A finasterida não tem mistérios, se mantendo no recomendado de 1 mg por dia.

O nizoral não deve ser usado em excesso para não causar reações e o microagulhamento também deve ser espaçado na rotina para não causar danos em excesso, além de atentar-se para a higiene a qualidade das agulhas.

Escala Norwood

Escala Norwood Por Keministi, de Wikimedia Commons

Esta imagem mostra dois padrões principais do sistema de classificação de calvície masculina do Dr. O’Tar Norwood. É de grande importância a observação deste gráfico para medir seu progresso, identificar-se e definir objetivos.

Segue a descrição dos itens:

  1. Pequena a nenhuma recessão da linha do cabelo.

  2. Áreas triangulares, muitas vezes simétricas, de recessão na linha do cabelo frontotemporal.

  3. Queda de cabelo pequena o suficiente para ser considerada calvície segundo Norwood. Há recessão profunda simétrica nas têmporas que são escassamente cobertas por pelos ou calvas.
    III Vexter (vértice). A perda de cabelo é principalmente a partir do topo da cabeça (vértice), com recessão limitada da linha do cabelo frontotemporal que não exceda a recessão vista em III.
  4. Recessão frontotemporal mais severa do que em III e não há pelos esparsos ou nem pelos no vértice. As duas áreas de perda de cabelo são separadas por uma faixa de cabelo moderadamente denso que se estende ao longo do topo. Essa faixa se conecta com a franja de cabelo completo nas laterais do couro cabeludo.

  5. A área de perda de cabelo do vértice é separada da área frontotemporal, mas é menos distinta. A faixa esparsa de cabelo em toda a coroa é mais estreita e as áreas vértex e frontotemporal da perda de cabelo são maiores.

  6. A ponte de cabelo que cruza a coroa se foi e apenas restos de cabelo esparso. As áreas frontotemporal e do vértice são unidas e a extensão da perda de cabelo é maior.

  7. A forma mais grave de perda de cabelo e apenas uma faixa estreita de cabelo em forma de ferradura permanece nas laterais e na parte de trás do couro cabeludo. O cabelo restante geralmente é bom e não é denso.

Variante A:

IIA. A linha do cabelo é anterior ao plano coronal 2 cm anterior ao conduto auditivo externo.

IIIA. A linha do cabelo retrocedeu até um ponto entre o limite do IIA e o nível do conduto auditivo externo.

IVA. A linha do cabelo retrocedeu além do conduto auditivo externo, mas não atingiu o vértice.

VA. A área de perda de cabelo inclui o vértice. A perda de cabelo mais severa que a VA não pode ser distinguida dos tipos VI ou VII.

Resumindo

Se eu fosse começar o tratamento agora, sabendo o que sei, começaria com 1 mg de finasterida ao dia, que é a mais relevante de se começar o mais cedo possível, junto com o nizoral duas vezes por semana. Após um mês iniciaria o minoxidil diário, e no mês seguinte com o microagulhamento, uma vez por semana. Sempre anotando doses e rotina.

É muito importante fotografar as áreas tratadas pelo menos uma vez ao mês, por ser um progresso lento, é muito difícil medir o progresso real sem as fotos.

Comentários e sugestões são bem vindos.

Leia mais

pt_BRPortuguese